quarta-feira, 17 de novembro de 2010

CORAÇÃO VALENTE


NOTA: 10.
- Lutem, e pode ser que morram. Corram, e vocês vão viver. Pelo menos por um tempo. E morrendo em suas camas, daqui há muitos anos, vocês vão querer trocar todos esses dias que tiveram por uma chance, só uma chance, de voltar aqui e dizer aos seus inimigos que eles podem tirar nossas vidas, mas não podem tirar nossa liberdade.

Há uma coisa muito interessante neste filme. Logo no início, é dito que algumas pessoas podem dizer que o que está para ser contado é mentira e que a história é escrita pelo lado vencedor. É assim que Mel Gibson (que também dirige) cria o clima do seu filme. Um filme que não conta a história de um homem, mas sim como ele se tornou um mito. Quer as coisas tenham acontecido assim ou não.
O filme conta a história do herói escocês William Wallace, que ficou conhecido como Braveheart, apelido que dá o nome original do filme. Segundo um antigo poema, ele unificou todos os clãs da Escócia numa campanha contra a Inglaterra vencendo inúmeras batalhas antes de ser traído, capturado, torturado e morto. Isso tudo por volta da década de 1300.
O filme vai além do que se sabe na realidade e extrapola todo uma parte da vida dele não conhecida. Depois da morte de seus pais, ele vai ser educado pelo seu tio Argyle (Brian Cox). Retornando muitos anos depois, ele pretende apenas cultivar a terra e criar uma família. O plano parece ir bem até um inglês matar sua esposa para forçá-lo e se expor. Aí começa a sua campanha contra o rei conhecido como Longshanks (Edward I). Wallace era um excelente estrategista militar, e talvez se não tivesse sido traído, poderia ter sido bem sucedido em sua campanha. Mas não dependia apenas de sucesso nas batalhas, dependia também de sucesso político. Essa foi sua desgraça.
E o filme está recheado de batalhas, que é o que a platéia mais irá se lembrar. E apesar de ser marinheiro de primeira viagem em cenas como essa, Gibson faz um excelente trabalho. As batalhas tem muitos e muitos homens a pé ou em cima de cavalos, e ainda assim fluem de forma quase brilhante ao invés de sair um amontoado confuso de pessoas.
E não é só nas batalhas que Gibson se sai bem, o filme como um todo se sai muito melhor do que se podia esperar. Isso porque como disse, é um filme que não conta a história, mas mitos. Ele cria um mundo ficcional baseado na realidade que se torna extremamente divertido de se assistir. Tanto que as "licenças poéticas" que ele toma passem tranquilamente, assim como as licenças históricas. Para se ter uma idéia, não há um fato histórico que indique que Edward II era homossexual, e ele somente se casou com Princesa Isabelle depois das mortes de Wallace e de seu pai, mas o mito aqui funciona melhor que a realidade.
Uma pena que depois desse filme, Gibson nunca mais tenha feito algo que chegue perto da qualidade desse trabalho. O resto da sua biografia como diretor é curta e somente com filmes sem muita expressão, que provavelmente fizeram mais barulho do que mereciam pelo seu nome do que pela qualidade de seu trabalho. Antes havia dirigido O homem sem face, depois deste foram apenas o espetáculo sádico de A paixão de Cristo e o também ultraviolento Apocalypto. Mas pelo menos aqui, ele se destaca.

6 comentários:

  1. D.T.S

    Concordo contigo sobre o filme Coraçã Valente. Mas discordo que os filmes Paixão de Cristo e Apocalypto.
    No filme Apocalypto conta um história onde a violência reinava, ou vc acha que para se tornar um escravo, era de maneira voluntária????
    No filme a Paixão de Cristo...foi o melhor filme que retratou com veracidade os momentos de Jesus, pelo menos a maneira que até hoje é contada para nós.
    Acho que aqueles filmes de Jesus com apenas uma gota de sangue que é sádico!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que não é necessário ficar mostrando closes de pele e carne sendo arrancados.
    Não gosto disso e lamento que a violência no cinema esteja sendo vista como uma coisa cada vez mais normal.
    Tarantino não mostrou a injeção sendo enfiada no peito de Uma quando ela está tendo uma overdose em "Pulp Fiction".
    Assim como Hitchcock não enfiou a faca uma vez sequer na famosa cena do chuveiro.
    Alguém vai me dizer que a cena teve menos impacto por causa disso?

    ResponderExcluir
  3. esse filme eu nunca vou me esqwecer dele ate por que é um ilustre da historia marcada de seculo a seculo e ate hoje 2012 passam isso e vao passar ate o fim obrigado pela oportunidade fiqwem com deus xau bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu adorei esse filme lindo.

    ResponderExcluir
  5. Um dos melhores filmes que já assisti,talvez o melhor.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...